top of page

Sala de Imprensa

Queda na safra de trigo argentino tem reflexo no Brasil

Segundo pesquisa realizada pela agtech SIMA, os danos causados pela estiagem resultaram em queda de 35% no rendimento do cereal. Com diminuição da oferta, consequentemente haverá aumento de preços, o que pode afetar negativamente o consumidor final brasileiro


As últimas safras não têm sido fáceis para os agricultores argentinos, e as notícias sobre a colheita não são muito animadoras. Segundo pesquisa realizada pela agtech SIMA - Sistema Integrado de Monitoramento Agrícola, o rendimento do cereal caiu 35% na última safra. Estes dados trazem uma perspectiva relevante sobre a vulnerabilidade da cultura frente às adversidades do clima, e como a safra e economia brasileira relacionada ao grão ficam à mercê da grande demanda nacional.


No contexto da forte seca que afetou o campo argentino, a agtech, que monitora mais de seis milhões de hectares em oito países latino-americanos, tirou uma radiografia do que restou da última safra de trigo com base nas informações coletadas de seus usuários. No entanto, é importante esclarecer que são dados médios de todos os utilizadores da SIMA na Argentina, independentemente das zonas agrícolas, datas de plantação ou variedades utilizadas. “É um relatório geral e serve como um guia para o que aconteceu e não como uma realidade absoluta de nossos usuários”, reforça Maurício Varela, cofundador da startup.


O cenário das últimas safras está intrinsecamente relacionado aos impactos do evento da La Niña no território. O fenômeno se caracteriza pelo resfriamento anormal das águas do Oceano Pacífico Equatorial, ocasionando alterações climáticas por todo o país, e afetando diretamente o regime de chuvas. Neste contexto, ao finalizar a colheita da safra 2022/23 na Argentina, os dados da SIMA mostraram que a produtividade média dos usuários foi de 2.800 kg/ha de trigo, ligeiramente superior à média nacional do país, que girou em torno de 2.200 kg/ha.


Em relação à safra anterior, a quebra de rendimentos apurada junto aos utilizadores da SIMA foi de cerca de 35% face ao período homólogo. “Neste sentido, importa esclarecer que nossos clientes, ao planejarem a colheita do trigo, manifestaram a expectativa de atingirem um rendimento de 3.800 kg/ha, o mesmo da safra de 2021/22”, pontua Varela.


Principais adversidades desta safra


De acordo com os registros da plataforma, plantas daninhas e doenças foram as categorias de adversidades mais detectadas. Em todo o monitoramento realizado no cereal, 55% dos casos foi marcado pela presença de invasoras. Enquanto 50% dos relatórios de campo registraram alguma doença. A planta daninha com maior presença foi a Conyza bonariensis, popularmente conhecida como buva, a qual foi detectada em mais de 20% dos monitoramentos realizados. Neste sentido, destaca-se que nas últimas três safras esta foi a invasora dominante.

Em relação às doenças, o fungo necrotrófico Pyrenophora tritici-repentis, causador da mancha amarela, foi o mais frequentemente detectado, em pouco mais de 30% dos controles de campo. “Em termos gerais, as doenças tiveram menor presença nas lavouras quando se observa o comportamento das últimas três safras. Este fato esteve diretamente relacionado à falta de chuva que ocorreu em grande parte do território argentino ao longo do ano”, destacou o profissional.


Perfil sanitário e variedades mais plantadas


A variedade mais plantada na última safra, segundo registros da SIMA, foi novamente a Baguette 620. Ao contrário das safras 2021/22 e 2020/21, em 2022/23 o perfil das cultivares selecionadas pelos produtores e usuários argentinos mudou. Das safras anteriores, apenas a Baguette 620 é a variedade que permanece, enquanto "Larch Pehuen" e "Nutria" estavam entre as mais escolhidas.


Como já analisado em outros relatórios, 60% da área plantada dentro da SIMA é composta por no máximo cinco variedades. Mas, diferentemente dos anos anteriores, para a safra 2022/23 houve uma nova composição das top cinco cultivares, o que também gerou um novo perfil de sanidade, que não foi visto nas safras 2020/21 e 2021/22.

Em relação à presença geral de doenças, detectou-se uma melhora no panorama de sanidade do país para a ferrugem linear (Puccinia striiformis), especialmente quando considerada as condições ocasionadas pela La Niña e desempenho das cultivares selecionadas. Na safra 2021/22 não houve variedade plantada com comportamento “bom” frente à ferrugem, e para a safra 2022/23 puderam ser observados materiais considerados “resistentes” e “moderadamente resistente” a esta adversidade, conforme avaliação de cultivares do Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária (INTA).


Esta tendência de mercado responde claramente ao fato de que, em anos anteriores, esta doença vinha aumentando no território, causando grandes danos e perdas de produtividade nas lavouras.


Impactos nos Brasil


O Brasil é um dos maiores importadores de trigo argentino do mundo e essa dependência apresenta impactos significativos na economia. Em 2022, o Brasil desembarcou cerca de 5,7 milhões de toneladas do cereal, sendo que 71% desse volume foi ofertado pela Argentina. A importação deste produto da Argentina é estratégica para o Brasil, já que a cultura produzida no país vizinho tem um custo mais baixo devido à proximidade geográfica e à facilidade de transporte. “No entanto, a dependência torna o Brasil vulnerável a qualquer interrupção na oferta do produto, como tem se observado nas últimas safras afetadas pela La Niña”, ressalta Varela.


A quebra de safra na Argentina causa um impacto direto no suprimento da demanda brasileira. A diminuição da oferta de trigo no mercado nacional leva ao aumento de preços, afetando negativamente o consumidor final. Desta forma, estar atento aos indicadores de produção e adversidades em âmbito internacional é fundamental para a resiliência da cultura e economia atrelada à comercialização do grão.


O Brasil segue na missão de ampliar sua produção e consequentemente diminuir a dependência do mercado exterior. Segundo dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção de trigo no campo brasileiro foi estimada em 11 milhões de toneladas no ano comercial 2023/2024, ante 10,6 milhões no ano anterior. Alguns especialistas projetam que o Brasil pode ser autossuficiente em trigo em 10 anos, porém, o maior desafio é ultrapassar as quase 13 milhões de toneladas consumidas hoje no país.


Sobre a SIMA


SIMA é uma AgTech que surgiu em 2014 na Argentina com o objetivo de oferecer aos produtores uma plataforma simples, completa e inteligente para monitorar, controlar e analisar dados. Hoje a empresa está presente em 8 países da América Latina e possui mais de 6 milhões de hectares monitorados. Mais informações em: https://www.sima.ag/pt.




Comments


Featured Posts
Archive
Follow Me
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
bottom of page