top of page

Sala de Imprensa

Qualidade genética impacta na baixa mortalidade de suínos da cria à terminação

Matrizes com características de alta hereditariedade e boa habilidade materna, proporcionam aos suinocultores animais mais fortes, resistentes e adaptados para superar os desafios da criação


Independentemente do sistema de criação animal, a mortalidade é um dos principais gargalos para a perda de competitividade e no setor suinícola isso não é diferente, podendo acarretar diversos prejuízos financeiros. Após o nascimento dos animais as fases de recria e terminação que darão continuidade no sistema produtivo da granja, merecem muita atenção, afinal a mortalidade nessas etapas tem um alto impacto nos custos de produção.

A fase de lactação ou maternidade, é considerada do dia do parto até o desmame, que pode variar de granja para granja, mas que na média ocorre entre os 21 e 28 dias de idade do leitão. Nessa etapa, é importante destacar que é o período mais desafiador para o leitão. Segundo o zootecnista João Cella, gestor comercial da Topgen, marca brasileira, especializada em genética suína, é neste momento que se encontram os maiores desafios. “Entre as possibilidades, pode ocorrer esmagamento, leitões nascidos com baixo peso, perda iminente de temperatura corporal e principalmente, baixa ingestão de colostro nas primeiras quatro horas de nascimento (período em que o intestino está mais apto para absorção da imunidade passiva)”, diz.

Essa baixa ingestão normalmente está relacionada a dois fatores muito importantes. O primeiro trata-se do manejo do colaborador responsável por acompanhar os partos, que deve colocar todos os leitões para mamar por um período equivalente. O segundo e talvez mais importante, é a quantidade de colostro que a matriz é capaz de produzir, chamando mais uma vez a atenção para a aquisição do material genético escolhido pela granja. Na recria, conhecida também como fase de creche, compreendida entre o fim do desmame até por volta de 65 dias, os leitões serão novamente desafiados por diversos fatores. Entre eles podemos listar alguns, como: a saída do crechário para granjas terminais, nas quais normalmente há relatos de menor biosseguridade, maior incidência de exposições a patógenos, aliados com uma queda na curva de resposta imunológica dos leitões.

De acordo com o zootecnista, o valor agregado na produção de cada leitão se torna cada vez mais importante com o decorrer das fases, dando a ideia de que, ao passo que o animal está evoluindo dentro da cadeia produtiva, o custo de produção dele se torna cada vez maior e com isso o impacto com a mortalidade é mais expressivo. “Relatos encontrados em artigos científicos apontam que a mortalidade de leitões no desmame e recria pode variar entre 6% e 10%, gerando alta perda de eficiência do sistema e alto custo”, destaca.

Já na fase de terminação, compreendida entre os 63 dias até o abate, normalmente entre 160 e 170 dias de vida, casos de mortalidades são ainda preocupantes, tendo em vista o alto valor investido em manter os animais até a chegada nessa fase. Segundo estudos e artigos, a média de mortalidade no mercado nesse momento varia de 2,0 a 5%, e é fundamental considerar que nessa etapa, praticamente todos os custos de produção do suíno já foram executados.

Segundo o gestor comercial da Topgen, é preciso entender que esse custo nasce na aquisição da matriz, ou seja, toda a preparação da mesma para a gestação (aquisição, alimentação, mão de obra, protocolos sanitários de vacinação, custo de espaço físico, energia, entre outros) já foram sanados. Além disso, esse gasto se estende até o pós-parto para o leitão, passam para a fase de recria, onde os custos continuam a se somar, contando com alimentação de valor agregado para adaptação na fase e suporte nutricional, instalações, manejo – chegando então a terminação.

Ainda de acordo com o especialista, além de todos estes custos citados estarem somados, ainda haverá o acréscimo da logística para colocação desses leitões nos terminadores, (integradores tem o custo de assistência técnica). “Aqui, o investimento com alimentação se sobressaem, principalmente por dois motivos: o aumento exponencial do consumo diário de ração (Kg/dia) e o alto custo dos insumos. Assim comprova-se que a maioria dos custos de produção foram pagos, e que no momento do retorno financeiro essa perda causa grande impacto econômico”, diz.

Escolha assertiva

Além de atenção redobrada com o tripé (sanidade, nutrição e manejo) também é importante o criador se atentar que essas perdas, que podem estar também relacionadas com a escolha da matriz. “A fêmea de maior eficiência frente aos desafios nos trará respostas positivas durante toda a produção. É preciso entender que muitas vezes a aquisição de matrizes pela promessa somente de alto número de leitões nascidos pode ter uma contrapartida muito negativa. Além disso, os custos da mortalidade dentro do sistema produtivo afetam de maneira significativa a produtividade de matrizes”, reforça o zootecnista.

O suinocultor deve optar por matrizes de linhagem selecionadas com boa habilidade materna e características que contribuam com todas as fases dos suínos nascidos. Entre as aptidões, pode destacar a boa capacidade de ingestão de alimentos e que produzam colostro suficiente para sua progênie. No mercado, entre as soluções está a linhagem Afrodite que compõem a base genética da TopGen.

Além dessa habilidade, a linhagem proporciona resistência a infecções, excelência no seu aparelho locomotor, e maior adaptabilidade o que faz com que seus leitões estejam melhor preparados para os desafios impostos em todas as fases de criação. “Nossos índices de mortalidade estão muito abaixo do mercado, o que demonstra que ao escolher nossas matrizes serão gerados leitões mais saudáveis, mais competitivos e prontos para todas as etapas do ciclo”, reforça a proprietária da TopGen, Beate von Staa.

Ainda segundo Beate, é importante salientar a extrema importância de optar pela Afrodite e pelas avós TopGen, matrizes que aliam excelente desempenho com alta rusticidade, tornando a progênie apta a transpor os desafios encontrados no campo e gerando mais competitividade para o setor suinícola. “Por todos estes fatores, quem calcula os custos de produção de cada quilo vendido, escolhe TopGen, pois temos as matrizes mais equilibradas do mercado, as quais produzem leitões que terão menos propensão a infecção e resistência às doenças e consequentemente gerando melhores resultados”, finaliza.

Sobre - A Topgen é uma marca brasileira, especializada em genética suína, com tradição de mais de três décadas. Localizada em Jaguariaíva, na região dos Campos Gerais do Paraná, a marca está consagrada no mercado, identificando a genética suína que se desenvolveu ao longo dos últimos anos com a missão de produzir e comercializar material genético suíno, entregando ao mercado maximização de valor com sustentabilidade. Promove melhoramento genético das raças Large White e Landrace, com uma linha materna batizada pelo nome de “Afrodite”, considerada por especialistas como a matriz mais completa do mercado. Mais em www.suinostopgen.com.br.




Comments


Featured Posts
Archive
Follow Me
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
bottom of page