top of page

Sala de Imprensa

Produtor brasileiro é desafiado diariamente a provar que é o mais sustentável do mundo

Focado na agricultura regenerativa, agricultor do interior paulista diversifica a atividade com rotação de culturas e com auxílio da biotecnologia se destaca por aliar boas práticas ambientais com ganhos de produtividade


Neto e filho de produtores rurais, o administrador Frederik Jacobus Wolters, nos últimos 16 anos se dedica a levar adiante a tradição da família na agricultura. Frente à agropecuária Ponte Alta, situada na cidade de Itararé, São Paulo, ele assumiu o compromisso de ampliar a produtividade da fazenda, mas de maneira sustentável. A aposta então foi na agricultura regenerativa, que aliada ao manejo eficiente e uma rotação de culturas muito bem planejada, uniu a proteção do solo com colheitas mais fartas.


Na propriedade de 2.400 hectares o principal negócio é o complexo de grãos, no verão cultivam soja, milho e feijão. Já no inverno a principal cultura é o trigo. “O nosso foco é não deixar o solo parado e trabalhamos da seguinte forma: quando a terminamos de colher uma cultura, fazemos a rotação com outra cultivar ou entramos com um mix de plantas cobertura e assim melhoramos a parte biológica do solo, colaborando com a agricultura regenerativa”, detalha Wolters.


A preocupação com o solo na agropecuária Ponte Alta se intensificou nos últimos anos, principalmente em decorrência das máquinas utilizadas para plantio e colheita, isso porque, a cada geração elas estão maiores e mais pesadas, grandes vilãs da compactação no solo. “Quanto mais raiz colocarmos no solo, mais matéria orgânica teremos e isso é fundamental para a estrutura dessas áreas”, destaca o produtor.


Manejo sustentável


Além do cuidado com solo, outra preocupação frequente da Wolters é com relação a aplicação de defensivos no controle de pragas e doenças. Há alguns anos utilizam produtos biológicos e agora estudam também utilizar pó de rocha, que é rico em silício, um importante mineral que aumenta a resistência da planta. “Estamos sempre pensando na sustentabilidade, tanto econômica, quanto ambiental, por isso fazemos essa integração de tecnologias. Hoje, 37% do resultado financeiro das lavouras reinvestimos em agricultura regenerativa dentro da fazenda, algo que merece destaque”, reforça.


Outra ferramenta adotada na propriedade foram os fertilizantes biotecnológicos a partir da parceria com a Superbac. A empresa brasileira que é pioneira no mercado nacional com essas soluções, desenvolve produtos que além de minerais, têm em sua base o Smartgran, o primeiro condicionador biológico de solo do mercado que combina matéria orgânica e bactérias inteligentes (Smartbacs).


Essa tecnologia aumenta a produtividade em uma mesma área mediante a inserção de matéria orgânica no processo de adubação e ajuda na elevação da diversidade de espécies de microrganismos benéficos ao solo/planta. Esses benefícios ocasionam por sua vez, maior atividade de importantes enzimas relacionadas à saúde do solo (betaglicosidase e arilsulfatase), envolvidas no ciclo do carbono e enxofre e a diminuição da lixiviação do potássio e proteção do fósforo.


Além desses fatores é válido destacar a melhoria das condições físicas, químicas e biológicas do solo, contribuindo com o desenvolvimento das plantas e de seu sistema radicular. “A Superbac tem produtos diferenciados, que para determinados períodos, ciclos, ou necessidade, nos atendem especificamente. Como trabalhamos muito a questão sustentável, existem momentos em que optamos por trabalhar com os fertilizantes biotecnológicos empresa, para conseguir atingir o nível de produtividade ou de sustentabilidade que desejamos dando ao solo o que ele realmente precisa, sem excesso e sem falta”, detalha o produtor.


Próximos desafios


Segundo o agricultor, o grande desafio da classe produtora brasileira é mostrar que o setor é o mais sustentável do mundo. “Hoje a Europa, os Estados Unidos, ou Canadá, por exemplo, não se igualam ao que fazemos aqui. Nós aqui na região, somos conhecidos por adotar boas práticas agrícolas. E o difícil é fazer com que o mercado e a população em geral reconheçam isso também”, acrescenta.


Ainda de acordo com o administrador, atualmente o agronegócio brasileiro, por meio de boas práticas agrícolas, é um dos setores que mais sequestra carbono. Somado a isso, a maioria dos produtores seguem rígidos protocolos para preservar o meio ambiente, aumentando a produção de maneira vertical, sem avançar em áreas preservadas. “O agricultor que não cumprir boas práticas agrícolas, não conseguirá acessar financiamentos. Nossa legislação é extremamente exigente. Portanto, o próximo grande desafio é a gente achar uma forma de ser pago pelo trabalho que a gente faz. Não ser somente reconhecido, mas também ser remunerado”, finaliza Wolters.


Sobre a Superbac


Fundada em 1995, a Superbac é pioneira no mercado brasileiro de soluções em biotecnologia e detentora da mais moderna biofábrica da América Latina, onde atuam mais de 70 pesquisadores. Líder em bioinovação e referência na substituição de processos produtivos, ela é provedora de soluções sustentáveis e economicamente viáveis, formulando blends específicos de microrganismos e potencializando seus efeitos para solucionar demandas nos mais diferentes segmentos, como: agricultura, saneamento, óleo & gás, bens de consumo, farmacêutico, cosméticos e alimentação humana e animal.





Comments


Featured Posts
Archive
Follow Me
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
bottom of page