top of page

Sala de Imprensa

Falta de limpeza de fuso da colhedora gera perda no algodão

Especialista da Sell Agro aponta como manter em dia o equipamento e assim evitar desperdício e perda da qualidade de fibra


É algo simples, que parece “bobo”, mas que faz uma grande diferença no final, especialmente para uma cultura com alto valor agregado. Sabe do que se trata? Estamos falando da limpeza dos fusos das colhedoras de algodão, que se não realizada da maneira e periodicidade corretas, pode representar perda de fibra da pluma ou até impactar na qualidade, ou seja, prejuízo para o bolso do produtor.

O engenheiro agrônomo e diretor comercial na Sell Agro, Alexandre Gazoni, destaca que manter as peças limpas é importante justamente para o propósito de garantir uma alta capacidade na remoção das plumas da planta. Segundo ele, essa operação de limpeza precisa ser realizada praticamente todos os dias e, em alguns casos, até mais de uma vez durante a colheita, dependendo do desempenho da máquina. “Mesmo que você utilize produtos de alta eficiência para retardar o enovelamento nos fusos, em determinado momento vai começar a perder muita fibra na lavoura”, pontua. Ele reforça que é fundamental, durante a operação, parar e avaliar o equipamento, assim, em alguns casos, “percebe-se a necessidade de limpeza maior do que se imaginava”, completa.

Como realizar

A limpeza ocorre em duas etapas, sendo a primeira realizada pela própria máquina. Nesse processo, o produto é misturado com água no reservatório da colhedora, e a solução é conduzida até as escovas posicionadas acima de cada fuso, onde é aplicada em cada um deles.

Porém, quando a autolimpeza não consegue evitar o enovelamento no fuso, é necessário realizar uma limpeza externa em cada carrinho dos fusos. “A recomendação é jatear água e produto específico nas áreas propensas ao enovelamento. Em casos em que isso não é suficiente, pode ser necessária a remoção manual do enovelamento, sendo essencial agir com cuidado para garantir a máxima higienização do fuso”, explica Gazoni.

Ele ressalta a importância de escolher produtos mais modernos que contenham óleo em sua composição, pois são menos abrasivos. Isso possibilita uma operação eficaz sem causar desgaste prematuro nos componentes, além de evitar danos às fibras de algodão.

Tecnologia ajuda

Para auxiliar o cotonicultor, a Sell Agro pesquisou e colocou no mercado o HiSpeed, um agente de limpeza compatível com todos os modelos de colhedoras de algodão. A principal diferença entre o produto e outros, é que este foi desenvolvido com uma base oleosa, ou seja, não se trata de um detergente, além de não conter soda cáustica, nem abrasivos em sua composição.

“Sua formulação foi projetada não apenas para limpar, mas também para conferir lubrificação ao fuso da colhedora de algodão. Essa lubrificação também ajuda na hidratação dos retentores, reduzindo a necessidade de manutenção da máquina e prolongando a vida útil dos dedos dos fusos durante a colheita”, endossa o especialista da empresa.

A utilização da ferramenta resulta em menor desgaste quando comparado a detergentes convencionais, tanto em termos de máquina como na qualidade da fibra colhida. Além disso, devido ao grau de lubrificação do HiSpeed, este melhora as características das fibras quando comparado a produtos que contenham solventes, como soda cáustica. “Isso proporciona benefícios significativos, tanto na manutenção e redução de desgaste da colhedora, quanto na qualidade da produção”, finaliza Gazoni.

Sell Agro – Fundada em 2007, a Sell Agro atua na produção de adjuvantes agrícolas, com sede em Rondonópolis-MT, e estrutura moderna com amplo laboratório de pesquisa e equipe altamente qualificada, composta por engenheiros químicos e agrônomos. As soluções da empresa têm foco na geração de economia e, ainda, em potencializar os resultados das lavouras. Mais informações acesse: https://sellagro.com.br/.





Comments


Featured Posts
Archive
Follow Me
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
bottom of page