Blog

Empresa detecta gene resistente a vírus que dizima tomateiros

O ToBRFV não chegou oficialmente ao Brasil, mas, por onde passou deixou grandes prejuízos aos produtores e já existe uma corrida entre companhias e instituições de pesquisa de diversos países do mundo para o seu controle e combate


A Enza Zaden, empresa de melhoramento de hortaliças com sede na (Holanda), e filial em Holambra/SP, após muita pesquisa, anuncia que detectou um gene de alta resistência ao novo e avassalador tobamovírus, nomeado como Tomato Brown Rugose Fruit Vírus, ToBRFV. O vírus foi identificado pela primeira vez em tomate de estufa em Israel (2014) e na Jordânia (2015) e gradativamente foi se espalhando pelo mundo em países da Europa e nos Estados Unidos, principalmente em regiões onde há cultivo em estufa. Ainda não há relatos no Brasil, contudo o risco é iminente.

Para o diretor da empresa no Brasil, Jean François Hardouin, a situação que o vírus gera é drástica, porque a partir do momento que ele contamina e infecta uma área, os efeitos são devastadores. “Não existe um produto ou uma forma de manejo para controlar a sua disseminação e assim compromete todo o cultivo. Uma perda gigante ao produtor que pode dizimar a produção”, alerta.

Como age o vírus

Um dos pontos mais negativos do ToBRFV é que pode levar de duas a três semanas até que seus sintomas comecem a aparecer. São eles, manchas amarelas, enrugadas e cicatrizes marrons que tornam a cultura invendável. O vírus tem um impacto na produtividade e na qualidade a ponto de perdas de até 100% e, portanto, ameaça a continuidade dos negócios de tomate em todo o mundo.

Gene resistente

A medida que o ToBRFV foi se espalhando pelos principais países que dependem de um cultivo protegido, muitas empresas entraram em uma corrida para identificar a resistência ao vírus. A Enza recorreu ao seu banco genético e submetendo aos testes de exposição ao patógeno e tecnologia de ponta, identificou o gene resistente. “Essa é a importância de se ter um banco de germoplasmas robusto. E por meio de mapeamento genético foi identificado esse gene de resistência, mais ou menos há um ano atrás”, destaca Hardouin. Após a descoberta, em 2020 a empresa recebeu confirmação dos órgãos competentes e a patente do gene.

O êxito obtido pela Enza Zaden é de resistência completa. “Nosso gene não permite a replicação do vírus na planta. Esse é o grande diferencial. Depois que identificamos o gene, prevemos que em um intervalo de tempo de no máximo dois anos essa resistência já esteja incluída em nossos principais produtos”, completa o profissional.

E no Brasil?

O que se tem encontrado é o vírus em tomate de estufa, onde o cultivo é intensivo dentro da mesma área e continuamente, que são locais com dificuldade de uma boa esterilização e higienização. No caso do Brasil, a produção é principalmente realizada em campo aberto, com rotação de área. “Por outro lado, observamos que esse vírus está caminhando pelo mundo em qualquer lugar que exista plantio de tomate. É uma questão de tempo, até porque ele é persistente no solo, e pode se manter latente por 30 anos”, salienta o diretor.

Descoberta com credibilidade

A Enza Zaden tem mais de 85 anos de história e nome no melhoramento genético, é uma empresa holandesa e no Brasil tem 10 anos de atuação. O portfólio tem foco na cultura da cebola, mas também tomate, folhosas (chicória, alfaces), pimentão, melão e melancia. A marca inaugurou em 2017 uma estação de pesquisa e desenvolvimento na cidade de Holambra/SP, que desenvolve pesquisas com melhoramento genético do tomate, que é a cultura pela qual a companhia quer expandir a atuação nacional.

Ampliação de presença no mercado

A marca no Brasil quer se tornar nos próximos anos referência em sementes de hortifrútis. Para isso, além de muita pesquisa no exterior e no País, é ainda prestadora de serviço, oferece suporte e presença profissional em campo. “Queremos atender todas as necessidades dos produtores em diversas regiões do território nacional. Hoje, atuamos mais fortemente nos Estados de: Goiás, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo e Minas Gerais. Mas o objetivo é expandir cada vez mais”, pontua, Heverton Teixeira, gerente nacional de vendas.

Para o diretor da marca, valor é a referência para a empresa. “Nosso objetivo é ajudar a alimentar o mundo. Levamos valor ao produtor. Esse valor tem que ser tanto no ganho que ele tem no manejo com grande eficiência devido a nossa genética, mas também no produto final, onde ele consegue obter mais valor”, finaliza Hardouin.

Enza Zaden - Líder global em melhoramento genético e produção de sementes, com operações em 25 países, e a sede na Holanda. No Brasil tem filial em Holambra-SP. A empresa é reconhecida também no segmento de tomate e oferece programas de ponta em mais de 30 outros vegetais e ervas culinárias. Vitalis Organic Seeds é a divisão de sementes orgânicas certificadas da Enza Zaden.




Featured Posts
Archive
Follow Me
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon