top of page

Sala de Imprensa

Chegada de pescados importados ameaçam a tilapicultura brasileira

Desembarque no Porto de Santos/SP de um lote de tilápias vindo do Vietnã acendeu o sinal de alerta. Embora autoridades do Brasil tenham feita a suspenção momentaneamente, os produtores locais ficaram preocupados e devem continuar melhorando seus processos para ser a cada dia mais competitivos


Nas últimas semanas o mercado de tilapicultura brasileiro esteve bastante agitado. Tudo começou ainda em dezembro do ano passado, quando houve o desembarque no Porto de Santos/SP de 25 mil quilos de peixe de origem do Vietnã. Rapidamente a Associação Brasileira da Piscicultura (PeixeBR) e a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) agiram e se manifestaram contra a compra, sob a alegação de dumping – no caso, de que o produto importado tinha preço inferior ao custo de produção por aqui.


As entidades apontam ainda que o país asiático não cumpre as mesmas regras sanitárias exigidas no Brasil, criando um ambiente de competição injusto. Após algumas discussões, no último dia 7 de fevereiro, os ministros Carlos Fávaro, da Agricultura e Pecuária (MAPA), e André de Paula, da Pesca e Aquicultura (MPA), anunciaram que estão suspensas as importações de tilápia do Vietnã até que sejam feitas todas as análises de risco sanitário dos produtos vindos daquele país. Contudo, pode ainda haver revisão do protocolo para reavaliar a autorização.


O fato acendeu um alerta aos criadores brasileiros que em 2023 produziram aproximadamente 520 mil toneladas da tilápia, representando 65% do peixe de cultivo nacional. Com a atual produção, o País tem capacidade de atender a demanda interna e ainda exportar o excedente. No último ano, por exemplo, foram embarcadas ao mercado internacional 2,1 mil toneladas de tilápia, que renderam US$ 14,1 milhões, de acordo com a PeixeBR.

De acordo com Matheus Trento, zootecnista e executivo de vendas de piscicultura da Superbac, empresa pioneira em biotecnologia, a atividade brasileira de modo geral vem crescendo ano a ano e tem ainda muito potencial para continuar avançando. “Os números comprovam que a produção atual é eficiente e suficiente para atender o mercado local e até internacional”, diz.


Ainda segundo o profissional, o preço do produto vindo do Vietnã só se tornou mais competitivo em relação ao valor praticado pela produção nacional, pois o país asiático não segue o mesmo protocolo sanitário brasileiro que impõe uma série de regras para garantir toda a segurança necessária para a cadeia. “O grande risco é o sanitário, pois existem algumas doenças e vírus como TILV que ainda não estão presentes aqui, e estes produtos vindos de fora podem ameaçar toda produção local”, disse. “Além disso, tem o uso de polifosfato no Vietnã para aumentar artificialmente o peso dos filés”, completou.


É preciso estar atento


Esse lote de peixes do Vietnã foi suspenso, porém, o fato trouxe muitas preocupações. Ou seja, é preciso uma força tarefa entre produtores, governo e entidades do setor para que definam regras claras quanto à importação do pescado, afinal, países mais próximos, também podem entrar no Brasil de forma competitiva. “Por uma questão de geolocalização, o Vietnã, se seguir todas as regras, não será uma ameaça, mas outras nações mais próximas como Equador, Costa Rica, Estados Unidos, Honduras, podem sim”, alerta o especialista.


Portanto, o tilapicultor brasileiro precisa fazer a tarefa de casa e ser cada vez mais eficiente em sua produção. Assim, conseguirá produzir um peixe de qualidade a um custo menor com muito mais competitividade. Segundo Trento, essa melhora na eficiência passa por um conjunto de fatores, ou seja, é preciso implementar a tecnologia nos processos de criação.


Entre as ferramentas que podem ajudá-los nesse ganho de eficiência está a biotecnologia presente, por exemplo, em duas importantes soluções da Superbac. Uma delas é o Bioboost, um bioestumulador atua ao mesmo tempo na degradação da matéria orgânica já existente e no controle de novas formações, colaborando diretamente na qualidade da água. Além disso ele proporciona outros benefícios de forma secundária, isso porque, os peixes respondem produtivamente com maior conversão alimentar, melhor crescimento e ficam com o sistema imunológico mais forte.


Além disso, o bioestumulador possibilita o aumento de densidade populacional do viveiro, a redução de custo com limpeza mecânica e redução no custo com água. “Outro ganho direto é a economia de energia com bombeamento e aeradores, aumento do peso final do tempo, redução do tempo de cultivo, melhora na taxa de conversão alimentar e auxilia no controle do ciclo do nitrogênio”, reforça Trento.


Outra ferramenta da Superbarc é o Organpesc. O produto é um bioestimulador de aplicação em viveiros de peixes e também de camarões para solubilização de nutrientes (Nitrogênio, Fósforo e Potássio), e disponibilização para a proliferação de fitoplânctons (microalgas), as quais servem como suplemento alimentar de peixes e camarões criados em cativeiro. “O Organpesc vai servir como nutriente para a formação do fitoplânctons e do zooplâncton, por consequência. Ele tem fácil aplicação inicial, para dar um start ao viveiro, mas também pode ser utilizado com os peixes, caso tenha que fazer uma aplicação de reforço”, acrescenta o especialista.


Para finalizar, o executivo da Superbac reforça que além da biotecnologia é importante que o produtor invista em equipamentos mais modernos e também em mão de obra especializada. “Tudo que ele puder investir dentro de sua piscicultura para ser mais eficiente é o que irá garantir a sua competitividade no futuro. É um conjunto de ações”, destaca.


Sobre a Superbac


Fundada em 1995, a Superbac é pioneira no mercado brasileiro de soluções em biotecnologia e detentora da mais moderna biofábrica da América Latina, onde atuam mais de 70 pesquisadores. Líder em bioinovação e referência na substituição de processos produtivos, ela é provedora de soluções sustentáveis e economicamente viáveis, formulando blends específicos de microrganismos e potencializando seus efeitos para solucionar demandas nos mais diferentes segmentos, como: agricultura, saneamento, óleo & gás, bens de consumo, farmacêutico, cosméticos e alimentação humana e animal.





Comments


Featured Posts
Archive
Follow Me
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
bottom of page