top of page

Sala de Imprensa

Causa da anomalia da espiga presa no milho intriga especialistas


Profissional desmistifica teorias que circulam pela internet e em rodas de conversa no campo sobre o uso de adjuvantes como vilão do problema


Desde 2017 a classe produtora brasileira enfrenta problemas recorrentes com espigas de milho que não se desenvolvem adequadamente, causando prejuízos milionários. Este fenômeno gera preocupação e ao mesmo tempo a disseminação de diversas teorias sobre as verdadeiras causas. Para desmistificar este cenário, Marcelo Hilário, responsável químico da Sell Agro, empresa especializada em adjuvantes e tecnologia de aplicação e associada à APLICA – Associação Brasileira de Fabricantes de Adjuvantes Agrícolas, repassa informações e explica como toda essa temática começou.


Segundo ele, quando surgiram os primeiros casos da anomalia, pesquisadores e algumas instituições chegaram à conclusão de que a possível causa poderia ser a aplicação de adjuvantes contendo surfactantes não iônicos, além de alguns tipos de fungicidas, quando utilizados desde o estádio V8 de desenvolvimento das plantas, até o florescimento. “A hipótese segundo eles, é a de que os surfactantes não iônicos supostamente se decompõem dentro delas levando à formação de etileno, o que causaria o referido problema”, diz o especialista.


Contudo, Hilário afirma que esta hipótese não só não é comprovada, como praticamente impossível de acontecer. O processo químico de obtenção de adjuvantes não iônicos através da reação entre o óxido de etileno e as cadeias carbônicas envolve altíssimas temperaturas e elevadas pressões. “Assim, para reverter este processo e causar a degradação dos surfactantes não iônicos, até a liberação do etileno, é necessário que haja condições de temperatura e pressão da mesma magnitude. O que é improvável, senão impossível, acontecer dentro de uma espiga de milho”, esclarece.


Papel do etileno


A verdade é que o etileno possui um papel importante no desenvolvimento do milho. De acordo com o químico, ele é um hormônio gerado dentro das plantas e que atua exatamente no desenvolvimento e maturação em fases específicas do ciclo de vida das mesmas. “O etileno ajuda no crescimento, e posteriormente no amadurecimento das espigas”, pontua Hilário.


A teoria equivocada segundo o químico é que eles alegam que o surfactante se degrada dentro da espiga e aí libera o etileno. Mas, conforme ele ressalta, a maturação já aconteceu antes mesmo disso. “O que a gente analisa então é que quimicamente é impossível os verdadeiros culpados serem os surfactantes não iônicos”, endossa.


E quem é o culpado?


Infelizmente ainda não há estudos conclusivos que determinem os verdadeiros culpados ou causas exatas das espigas encurtadas, refletindo assim a complexidade do problema e a necessidade de mais investigações científicas. “Obviamente, existem vários atores, empresas envolvidas. Nesse sentido, cada uma delas busca esclarecer se o seu produto está ou não relacionado ao problema. É o que acabamos de fazer, mostrar que não há relação comprovada dos adjuvantes com as espigas presas”, reitera o especialista da Sell Agro.


Dito isso, Hilário reforça que realizar o tratamento do milho com adjuvantes é extremamente seguro. “Surfactantes não iônicos, e por consequências adjuvantes não iônicos, não se degradam dentro de nenhuma planta e não liberam etileno”, finaliza o especialista.


Sell Agro – Fundada em 2007, a Sell Agro atua na produção de adjuvantes agrícolas, com sede em Rondonópolis-MT, e estrutura moderna com amplo laboratório de pesquisa e equipe altamente qualificada, composta por engenheiros químicos e agrônomos. As soluções da empresa têm foco na geração de economia e, ainda, em potencializar os resultados das lavouras. Mais informações acesse: https://sellagro.com.br/.




Kommentare


Featured Posts
Archive
Follow Me
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
bottom of page