top of page

Sala de Imprensa

Biológicos no manejo de pragas, doenças e nematoides traz incremento de até 8 sacas de soja por hect

Resultado foi confirmado em trabalho realizado pela Fundação MT, que conduz em todo o estado diversos experimentos que demonstram ganhos de produtividade e redução de problemas comuns nas lavouras com a adoção de bioinsumos


As dúvidas sobre a eficácia e as possibilidades de resultados importantes com o uso de produtos biológicos na agricultura têm ficado cada vez mais no passado. As pesquisas que consideram alternativas mais sustentáveis no manejo de controle de pragas, doenças e nematoides são parte fundamental desse processo e na Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso (Fundação MT) já são realizadas há quase duas décadas. Assim como em outros momentos, experimentos feitos pela instituição na última safra de soja demonstram incremento de produtividade, bem como redução da população de pragas, nematoides e maior controle de doenças na cultura.


De 25 a 28 de abril este tema estará em evidência no XXIII Encontro Técnico Soja, evento tradicional da Fundação MT que acontece em Cuiabá, mas também com transmissão online. No dia 27, pesquisadores estarão reunidos no talk show “Aplicabilidade do uso de biológicos no sistema de produção”, onde vão trazer discussões sobre controle biológico e sustentabilidade e mostrar resultados de pesquisas em entomologia, fitopatologia e nematologia. Um dos estudos se refere ao Projeto Biológicos, que há quatro anos é realizado nas culturas de soja e algodão, e o Ensaio Protetores, iniciado mais recentemente nas mesmas culturas.


Resultados do Projeto Biológicos


A divulgação das estratégias e resultados do Projeto Biológicos, conduzido pela área de Fitopatologia e Biológicos da Fundação MT, faz parte dos seus objetivos. Na safra de soja 2022/23 o trabalho foi conduzido no Centro de Aprendizagem e Difusão, em Sapezal-MT (CAD Oeste), com a semeadura da soja em 19 de outubro. Nesta edição, participaram as empresas Biocontrol e Lallemand com o posicionamento de seus produtos bionematicidas, bioinseticidas e biofungicidas em dois tratamentos, o biológico e o integrado.


De acordo com João Paulo Ascari, fitopatologista e pesquisador da Fundação MT, mancha alvo e cercospora foram as doenças mais presentes, além de baixa pressão de lagartas e percevejos, e média a alta pressão de mosca-branca. Entre os nematoides, houve presença de nematoide de cisto (Heterodera glycines), nematoide das galhas (Meloidogyne spp.), das lesões radiculares (Pratylechus spp.) e nematoide espiralado (Helicotylenchus spp.).


No padrão de manejo integrado, onde foi realizado o tratamento de sementes e aplicações foliares com produtos químicos, além do uso de biocontroladores, o pesquisador detalha que houve redução de até 40% na população de nematoides e de 30% na população de pragas com relação ao tratamento testemunha (apenas com inoculante biológico e sem manejo desses problemas). Em relação às doenças, o controle foi de até 50%, considerando a mancha alvo e cercosporiose como as principais. “No caso dos nematoides, mesmo utilizando cultivar sensível houve redução da população e nos tratamentos sem bioinsumos houve multiplicação dos parasitas”, completa o especialista.


Consequentemente, a resposta em produtividade também foi satisfatória com a adoção dos produtos sustentáveis e, de modo geral, o incremento chegou a até 8 sacas de soja por hectare. “Esse era o nosso objetivo, mostrar que o uso de biocontroladores é uma forma de alcançar mais sustentabilidade, incrementando o manejo já praticado e obtendo resultados em produtividade satisfatórios ao produtor e com menor impacto ao meio ambiente”, pontua João Ascari.


O Projeto Biológicos segue acontecendo na safra de algodão, e a proposta é que os tratamentos sejam repetidos por mais três safras (soja e algodão) para verificar a consistência dos dados, e com espaço para novas empresas parceiras.


Ensaio Protetores


Também conduzido em Sapezal na cultura da soja, este ensaio utiliza indutores de resistência, além de três diferentes biofungicidas e ainda fungicidas sítio-específicos. O papel dos indutores é auxiliar a planta a ter um sistema de defesa mais ativo e capaz de se defender dos patógenos mais rápido. Já os biofungicidas têm a responsabilidade de reduzirem e até impedirem o desenvolvimento das ameaças, e ainda podem atuar na indução de resistência das plantas.


A pressão de mancha alvo é considerada alta na região, além disso, o inóculo da doença está presente o ano inteiro devido as culturas de soja e algodão multiplicarem o patógeno. João Ascari explica que o ensaio é um ponta pé para essa complexidade que vem surgindo no controle não só de mancha alvo, mas de cercospora também, e procura entender que outras alternativas são viáveis além dos multissítios, que ainda são fundamentais no controle, como alcançar mais produtividade e manejo anti-resistência a fungicidas.


A cultivar utilizada é representativa na região do estudo e sensível às principais manchas foliares. Com o uso das ferramentas biológicas, o controle das doenças chegou a cerca de 30% em relação à testemunha sem fungicidas. Já o incremento em produtividade foi de até cinco sacas por hectare. “Os resultados para soja foram muito bons, chamou a atenção a forma como os biológicos e indutores têm contribuído no controle de doenças. Vamos investir mais energia nesse ensaio, replicando em outros CAD’s para comprovar o efeito também regional”, detalha o profissional.


Pesquisa de quase duas décadas


Na área de Entomologia, os trabalhos com o uso de fungos e bactérias entomopatogênicas são desenvolvidos pela Fundação MT desde 2007 no controle de lagartas. A partir de 2013, com a ocorrência de Helicoverpa armigera, as pesquisas se intensificaram nas culturas de soja e algodão. Além disso, a instituição participou do desenvolvimento de diferentes produtos à base de vírus para controle de Spodoptera frugiperda no algodão e no milho.


Para controle de mosca-branca, a Fundação MT tem realizado trabalhos com o uso de fungos entomopatogênicos e produtos à base de Beauveria bassiana, onde é possível observar o controle efetivo com a integração de químico e biológico. Todos os trabalhos acontecem nas áreas próprias de pesquisa em diferentes regiões do Estado, e em áreas de parceiros.


Nas últimas safras de soja, as pesquisas estiveram voltadas para controle de mosca-branca, lagarta Spodoptera eridania e avaliação de controle de percevejo marrom com o uso de parasitoide de ovos. Também foi realizado um trabalho de manejo de lagartas com uso de parasitoide de ovos de lepidópteros e manejo integrado de pragas, comparado ao manejo realizado pelo produtor.


Na pesquisa que envolveu o uso de parasitoide de ovos de lagartas, o resultado foi de R$ 42,33 por hectare a menos em relação ao manejo do produtor e com a mesma produtividade. Já no manejo de percevejos com uso de parasitoide de ovos de percevejo a produtividade foi superior em relação ao manejo do produtor e não houve diferença para a qualidade da semente. “Isso nos mostra que é possível adotar o controle biológico, no entanto, é necessário ter o monitoramento da área com foco na praga alvo para identificar o momento correto para o uso dos bioinsumos e, se a população da praga aumentar, deve-se fazer uso de controle químico”, destaca Lucia Vivan, entomologista e pesquisadora da Fundação MT.


A especialista ressalta ainda que para o controle de pragas nem sempre há aumento de produtividade, mas que é possível observar o uso mais racional de produtos químicos, redução de surtos de população e controle por períodos maiores se comparado ao controle químico. “Para o uso de produtos biológicos é importante que o produtor faça o monitoramento constante da sua área, identifique as primeiras infestações e acompanhe a flutuação populacional da praga. O manejo integrado com químico e biológico tem mostrado bons resultados em diferentes culturas”, completa.


Mais informações


Todo esse panorama da aplicabilidade de biológicos no sistema de produção também poderá ser acompanhado após o Encontro Técnico Soja, através do aplicativo da Fundação MT que recebe o conteúdo na íntegra. Além dos especialistas da instituição, também estará presente o pesquisador Wagner Bettiol, da Embrapa Meio Ambiente, que vai retratar a importância dos bioinsumos de forma ampla, com os cuidados que precisam ser adotados no uso, os ganhos para o sistema, na fixação de carbono, ciclagem de nutrientes, entre outros.


Fundação MT: Criada em 1993, a instituição tem um importante papel no desenvolvimento da agricultura, servindo de suporte ao meio agrícola na missão de prover informação técnica, imparcial e confiável que oriente a tomada de decisão do produtor. A sede está situada em Rondonópolis-MT, contando com três laboratórios e casas de vegetação, seis Centros de Aprendizagem e Difusão (CAD) distribuídos pelo Estado nos municípios de Sapezal, Sorriso, Nova Mutum, Itiquira, Primavera do Leste com ponto de apoio em Campo Verde e Serra da Petrovina em Pedra Preta. Para mais informações acesse www.fundacaomt.com.br e baixe o aplicativo da instituição.





Comments


Featured Posts
Archive
Follow Me
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
bottom of page